Quanto mais avançado está um estágio de calvície, maior é a procura por soluções rápidas e eficazes para retomar a auto estima. O que muitos pacientes ignoram, na maioria das vezes, porém, é que quanto mais cedo procurar por ajuda, maiores são as chances de obter bons resultados.

É possível notar os primeiros sintomas de uma calvície precoce tanto em homens quanto em mulheres, e obter informações sobre os principais tratamentos para esse primeiro estágio ao procurar rapidamente por um dermatologista. Muitos deles, por sinal, são abordados em diversos sites especializados no assunto, tornando mais fácil o entendimento de qual é mais adequado para cada caso e de como ocorre cada processo.

Mas, afinal, o que é a calvície?

Toda calvície é uma queda, mas nem toda queda é calvície. Entretanto, é extremamente comum encontrar pessoas que se deparam com grandes quantidades de fios caindo e acreditam que os estão perdendo definitivamente, sendo que na verdade estão sendo vítimas de fatores como estresse e má alimentação.

Já a calvície propriamente dita, conhecida cientificamente por alopecia androgenética, ocorre devido à presença da testosterona, principal hormônio masculino (daí a palavra andro) no organismo e predisposição genética, que pode ser facilitada por fatores hereditários. Em outras palavras, isso significa que um homem cujo pai, avô ou algum parente próximo é ou era careca ou calvo possui maiores chances de perder boa parte dos cabelos, o que também se aplica às mulheres, embora de uma forma menos frequente e agressiva.

Segundo informações divulgadas pela clínica do dermatologista Dr. Otávio Macedo, para cada mulher que apresenta algum problema com queda de cabelo existem 3 homens calvos. Isso se justifica pelo fato de a testosterona estar presente em menor quantidade no organismo feminino, o que não impede que a calvície se manifeste precocemente e que essa queda seja de fato algo preocupante.

É comum termos a percepção de que somente com uma idade avançada esses problemas aparecerão, mas a Dra. Tânia Pimentel Gomes alerta para um fato interessante:  qualquer mulher que esteja na idade entre os 12 e os 60 anos está sujeita a perdas capilares significativas, por mais que seja algo mais comum de se ver nas que tem 25 e 45 anos de idade.

Tratamentos para calvície precoce

A calvície precoce feminina, portanto, também existe e assim como a masculina conta com alguns tratamentos para que não avance e até mesmo recupere um ou outro fio perdido. Confira abaixo as opções mais indicadas por dermatologistas:

  • MINOXIDIL: trata-se de um vasodilatador que ajuda a bloquear os efeitos da testosterona e deve ter utilização local, como explica o Dr. Luiz Carlos Cuce, do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. É um medicamento amplamente prescrito em forma de loção também para a calvície masculina, embora cada sexo deva utilizar de maneira diferente.

    Apesar de haver quem diga que para os homens a concentração utilizada pode ser de até 5%, o Dr. Luiz alerta para que o início do tratamento seja com dosagens baixas, em torno de 2 a 3%, para então aumentar gradativamente. Já para as mulheres essa concentração só deve ultrapassar os 2% sob recomendação estrita de um médico, pois os efeitos colaterais existentes podem ser bem desagradáveis.

    Os casos mais famosos são de pacientes que tiveram aumento de pelos no corpo, principalmente na face, costas e pescoço. Isso aconteceu por que são áreas próximas ao couro cabeludo, principal área de aplicação do Minoxidil, e acabaram por sofrer influência do mesmo. E, por ser um tratamento que deve ocorrer a longo prazo para surtir bons resultados, há quem tenha optado por fazer a remoção dos pelos através de tratamentos estéticos para garantir que os cabelos cresçam fortes e saudáveis sem efeitos indesejados.

  • LASER DE BAIXA POTÊNCIA: é um completamente indolor e não invasivo, que não causa nenhum aquecimento do tecido, logo nenhuma queimadura, justamente por trabalhar em baixa potência. Por ter essas características, é indicado apenas pra calvícies em estágio inicial ou intermediário, pois um estado avançado significa a perda definitiva dos fios, o que exigiria outros tipos de tratamento.

    Seu uso para a área capilar possui estudos datados de 2001, e apresenta um mecanismo similar à fotossíntese, na qual as plantas utilizam a luz do sol para obter energia e crescer. No caso do laser, a luz penetra no local afetado, agindo diretamente sobre a raiz ainda viva e estimulando o metabolismo e a circulação local. Logo, é possível observar benefícios como eliminação de toxinas, redução do quadro de inflamação e estímulo ao crescimento dos fios de cabelo.

    É importante ressaltar, porém, que a ação isolada do laser não visa bloquear a ação da testosterona, como acontece com o Minoxidil, por exemplo. O indicado, portanto, é sempre utilizá-lo como complemento a algum tratamento comprovadamente eficaz contra calvície.

  • 17 ALFA-ESTRADIOL: é um elemento da famosa solução capilar Avicis, sendo por sua vez composto pelo estradiol, principal hormônio sexual presente no organismo feminino, embora também esteja presente no masculino em menor quantidade, o que justifica o fato de os homens desenvolverem as famosas “entradas” e as mulheres não. Assim como o laser de baixa potência, é indicado para tratamento de calvícies leves e moderadas e pode ser utilizada normalmente por homens, visto que é uma versão hormonalmente inativa e, portanto, não gera efeitos colaterais indesejados e feminilizantes.

    A utilização do Avicis, porém, é indicada para quem possui idade igual ou superior a 18 anos, sendo possível que menores utilizem desde que seja a partir de recomendação médica estrita, por não haver estudos suficientes sobre os efeitos que pode causar em adolescentes. Sua ação, em todo caso, é basicamente como inibidora das ações da di-hidrotestosterona e da testosterona propriamente dita, obtendo mais elogios do público feminino do que do masculino, mesmo oferecendo resultados positivos para ambos.

    As opiniões dadas por cada sexo são avaliações meramente subjetivas, assim como estudos que sugerem que esse medicamento tenha por função desacelerar a calvície ou estabilizar suas ações ao invés de recuperar a densidade dos fios. Em todo caso, é preciso ter em mente que é preciso aguardar até dois ou três meses para que os primeiros resultados significativos apareçam, e o tratamento jamais deve ser interrompido sem ordem médica.

Outros tratamentos, como a finasterida, são amplamente indicados por dermatologistas, mas são mais condizentes para calvície em estágio mais avançado, e não precoce. Há também diversas contraindicações para o uso por mulheres, por isso não cabem como indicação nesse post.

E você, conhece algum outro medicamento ou tratamento que possa ser utilizado em calvície precoce? Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário que responderemos assim que possível =)