A alopécia cicatricial é, como o nome sugere, o tipo de alopecia causado por cicatrizes diversas, porém possui muitas outras características. Como você poderá ler a seguir, ela pode até mesmo ser irreversível, embora existam alguns tratamentos e opções para reverter ou esconder a falta de cabelo na área afetada.

Continue a leitura para saber mais.

O que é alopécia cicatricial

Considerada um dos tipos mais raros da doença, a alopecia cicatricial é conhecida por agir atingindo os folículos pilosebáceos, presentes na superfície do couro cabeludo, e não necessariamente os folículos pilosos. Pode atingir ambos os sexos em qualquer idade e, embora não possua nenhuma ligação com a genética, surge por diversos motivos, ficando conhecida por se apresentar em dois tipos diferentes: o primário e o secundário.

No primário, ela surge por causa de processos autoimunes, infecciosos e até mesmo inflamatórios, desencadeada como defesa do próprio organismo ou por doenças como lúpus e foliculite. Já no tipo secundário a causa se dá por agentes externos e indiretos, como queimaduras, tração exagerada dos fios, radiação e traumas diversos.

Nos dois casos os folículos pilosebáceos podem ser destruídos de forma integral ou parcial, levando à interrupção da produção de fios e causando cicatrizes na área que foi afetada, o que justifica o nome alopécia cicatricial. Além disso, com o passar do tempo a pele afetada pode se tornar completamente lisa e pálida, uma vez que a “saída dos fios” se fechou e deixou de existir, como explica a dermatologista Mauren Seidl.

Em relação aos sintomas, não há ligação comum entre todos que sofrem com a doença, uma vez que variam de acordo com cada caso. Muitas pessoas podem não sentir nenhum desconforto, notando que há algo errado somente ao perceberem a queda dos fios, mas há outras que sentem diversos incômodos, como ardência, coceira e sensibilidade.

Com ou sem sintomas, a procura por um especialista para obter um diagnóstico é fundamental, permitindo que os tratamentos sejam iniciados o quanto antes, evitando que a alopécia cicatricial se torne permanente. A escolha por um profissional capacitado é de suma importância, pois se não forem realizados os exames corretos, como biópsia, pode ser alegado que se trata de um quadro de alopécia areata.

Alopécia cicatricial permanente

O grande medo de quem possui alopecia cicatricial é relacionado ao fato de que ela pode ser permanente, porém isso só irá ocorrer se a procura por um médico não for imediata e se os tratamentos não forem seguidos à risca, enfatiza a dermatologista Thaís Ferraz. Estes podem ser receitados tanto em forma de injeções quanto em pomadas ou cremes e comprimidos, e possuem o objetivo de frear a doença, evitando que se espalhe, dependendo do que a causou, e que se torne irreversível.

Entre os tratamentos adotados estão:

  • Esteróides:  costumam obter bons resultados quando utilizados no tratamento de doenças como o líquen plano, que causa alopecia cicatricial ao inflamar parte da estrutura do folículo. A aplicação tópica de corticosteroides em forma de creme no local afetado ou de esteroides intralesionais (injeções) são algumas das opções existentes.

  • Antibióticos e antifúngicos: infecções por fungos ou bactérias também podem levar à alopecia cicatricial, porém finalizado o tratamento e havendo melhora do quadro grandes são as chances de que os fios voltem a crescer. É possível, entretanto, que seja necessário fazer a junção de esteroides, antibióticos e/ou anti-inflamatórios para obter melhores resultados, dependendo da causa do problema.

É importante frisar que tais tratamentos costumam ser de longo prazo, o que exige paciência, e devem ser adotados mesmo em estágios mais avançados. Nesse caso o objetivo não é recuperar a capacidade de produção dos fios, mas sim evitar que a doença se espalhe para todo o couro cabeludo. Outro ponto negativo a esse respeito é que, mesmo aparentemente curado, o paciente pode voltar a ter novos episódios de alopecia cicatricial.

Como em outros tipos de alopécia, na cicatricial também é possível recorrer a procedimentos cirúrgicos para minimizar as falhas, porém isso só pode ser feito quando há certeza de que a doença está inativa. Isso significa que deve haver uma longa observação durante um período de 2 a até 3 anos, para garantir que não existem novas áreas afetadas. Feito isso, pode-se escolher entre duas cirurgias:

  • Implante capilar: O processo consiste basicamente na retirada de fios de áreas saudáveis (normalmente a nuca) do próprio paciente, para serem implantados nas áreas atingidas.

  • Redução do couro cabeludo: como sugerido pelo nome, irá reduzir parte da área afetada para então “esticar” a parte saudável, de modo a cobrir a primeira, possibilitando um aspecto natural. É adotada nos casos mais severos da doença.

Independentemente do tipo de cirurgia adotado, os cuidados pós cirúrgicos e a espera para checagem dos resultados definitivos são essenciais e, infelizmente, principalmente no implante capilar, os resultados podem não ser como esperados. Por isso muitos médicos indicam também o uso de próteses capilares para casos irreversíveis, pois são feitas sob medidas, fornecem um aspecto natural e são extremamente práticas.

Já para casos em que praticamente todo o couro cabeludo foi atingido, a saída pode ser o uso de perucas, que cobrem toda a área, uma vez que não é possível realizar implantes ou redução por não existirem fios suficientes.

Outro ponto importante abordado pelos médicos é a drástica redução da autoestima de quem possui alopecia cicatricial, o que os leva a indicar o tratamento psicológico como auxílio ao tratamento com medicamentos ou à cirurgia.

Agora que você já sabe o que é alopecia cicatricial, sabe também que, embora seja algo pelo qual ninguém queira passar, existem diversas opções para voltar a ter uma vida normal novamente, seja através dos tratamentos, das cirurgias ou dos disfarces. Nesse último caso, você ou alguma pessoa próxima que esteja passando por esse problema pode encontrar na Perucas Hifi a ajuda perfeita, com perucas e próteses para todos os gostos, feitas inclusive sob medida para cada caso.

Se ainda restar alguma dúvida, deixe nos comentários que entraremos em contato. Fique à vontade também para nos contar alguma experiência ou algo que saiba sobre a alopecia cicatricial e que não esteja nesse post =)